Confira as nossas newsletters Galeria de vídeos

Cotação

0 items

Busca no site

Notícias

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Computação em nuvem é parte inseparável do seu dia a dia

É bem provável que você nunca tenha pensado nisso, mas boa parte das suas tarefas diárias é feita graças à computação em nuvem. Saiba mais a seguir

Você usa Gmail? Facebook? Banco online? Netflix? Lojas virtuais? Então, você já é cliente da computação em nuvem - mesmo que jamais tenha pensado sobre isso. E a nuvem, aqui, não são as Cumulus, Congestus, Cumulonimbus, Stratocumulus, Stratus ou outras que vagam pelo céu.

A nuvem é a própria internet - que, ainda que seja conhecida de todos nós, é um ente impalpável, como as nuvens de verdade que inspiraram o conceito. Apesar do nome poético, tudo o que pode ser acessado pela nuvem fica em servidores físicos. Ou seja, não há dados voando pelo ar, como a ideia pode fazer parecer inicialmente.

Como os equipamentos que guardam esse conteúdo não ficam perto do usuário, eles só são usados de forma virtual - e, claro, tudo é acessado online. Trata-se, portanto, de uma tecnologia essencial atualmente. Pode-se dizer que foi com a computação em nuvem que a internet se tornou realmente onipresente.

Afinal, ela permite fazer diferentes tarefas de forma remota. Pense, por exemplo, em uma loja virtual. Não é preciso instalar um aplicativo específico para usá-la: os dados do sistema comercial do estabelecimento estão nessa nuvem e podem ser solicitados por consumidores sempre que necessário.

A ubiquidade é sua principal característica

Diferentes ferramentas, como editores de texto, de imagens e de vídeo também estão na nuvem. O acesso à internet é suficiente para usá-los e, depois, guardar o conteúdo produzido com eles na própria nuvem. Com isso, basta estar conectado à internet para ter acesso a tudo - a qualquer hora e de qualquer lugar.

Uma das maiores novidades nesse cenário são os streamings de games, como o Stadia, do Google, o xCloud, da Microsoft, e o Playstation Now, da Sony. A proposta é que o cliente jogue até títulos que exigem especificações robustas mesmo sem tê-las em casa: um computador com configurações básicas é suficiente para que o jogador interaja com os servidores - que ficam responsáveis pela execução do jogo.

Ainda no segmento de streaming, um serviço bastante popular que usa a nuvem é o Netflix - e todos os similares que vieram depois dele. Ele permite que praticamente qualquer computador, independentemente de sua capacidade, possa ser usado para ver os títulos disponíveis no catálogo.

Em resumo, então, a computação em nuvem é a possibilidade de usar diferentes tipos de serviços pela internet. O melhor de tudo é que os servidores que os armazenam são atualizados regularmente com a geração mais recente de tecnologia. Assim, pode-se apostar em recursos flexíveis - o que representa economia - e pagar apenas pelo que se contrata.

No ambiente corporativo, a computação em nuvem oferece ainda mais benefícios. A economia com equipamento vem acompanhada da redução de custos com backup, recuperação de desastre e continuidade dos negócios. E isso é possível porque, em geral, os dados ficam hospedados em diversos sites redundantes na rede do provedor.

O sistema tem vantagens e desvantagens

A computação em nuvem representa uma mudança importante de paradigma. Até sua chegada, os recursos de tecnologia evoluíam continuamente e havia uma preocupação constante em ter sempre os dispositivos mais atuais à disposição. Com ela, essa necessidade já pode deixar de ser prioridade.

Essa é uma das principais vantagens da computação em nuvem: a possibilidade de usar equipamentos pouco potentes para tarefas complexas - afinal, tudo é executado de forma remota. Então, para ver as produções mais atuais da Netflix, até mesmo um celular ou tablet simples é suficiente.

Além disso, o acesso a dados de todo tipo pode ser feito de qualquer lugar desde que se tenha uma conexão com a internet. Assim, não é preciso manter conteúdos em um único computador e pode-se fazer tarefas diversas de qualquer dispositivo: da criação de textos à edição de vídeos.

E quais são as desvantagens? É comum que os provedores de computação em nuvem tenham políticas de segurança rígidas para a proteção de dados, mas muitos ainda veem a tecnologia com ressalvas. Especialmente aqueles indivíduos que não se sentem à vontade para manter informações importantes em ambientes online - ou têm medo de ataques virtuais.

Outro aspecto importante - e que pode ser uma desvantagem - é a necessidade de ter uma conexão com a internet de qualidade. Como tudo fica em servidores remotos, em geral instalados em localidades distantes, o acesso à internet deve ser o melhor possível. Se o usuário não usar uma rede estável, isso pode atrapalhar algumas aplicações, como streamings.

Veja o quanto você usa a nuvem

Grandes empresas atuam cada vez mais na computação em nuvem. Os recursos criados por elas permitem que tudo seja feito online, sem a necessidade de mídias físicas.

Um bom exemplo é o Google, que tem vários aplicativos na nuvem: do Gmail ao Drive, passando pelo Maps e pelo Fotos, a companhia usa de forma muito eficiente essa rede virtual. Outro destaque da empresa é o Chrome OS, que exige muito menos capacidade de processamento da máquina, já que funciona exclusivamente com aplicativos web.

A Microsoft também aposta no conceito. Seu Live tem ferramentas como o Hotmail e o Messenger (que pode ser usado mesmo que não esteja instalado no computador). Além disso, a suíte Office (Word, Excel, PowerPoint e OneNote) tem versão online e, para armazenamento, a empresa tem o OneDrive.

Outra que tem soluções desse tipo é a Apple, com seu iCloud. Lá, o cliente da marca pode integrar informações do Mac com o iPad ou o iPhone. E mais: pode sincronizar e-mails, favoritos do navegador, músicas e assim por diante. Assim, tem tudo sempre à mão em qualquer um dos dispositivos.

Conheça os tipos de nuvem

Existem diferentes tipos de nuvem, que são adequados a perfis distintos. São as nuvens pública, privada e híbrida.

Nuvem pública

Nuvens públicas pertencem a um provedor e são administradas por ele. Elas oferecem recursos de computação (como servidores e armazenamento) pela internet para serem usados por vários clientes diretamente de um navegador web.

Nuvem privada

A nuvem privada é de uma única empresa e, normalmente, fica fisicamente em seu datacenter local. Assim, todos os recursos de computação disponíveis são usados exclusivamente pela companhia que a detém.

Nuvem híbrida

Uma combinação de nuvens públicas e privadas, ligadas de forma a permitir o compartilhamento de dados, é encontrada nas nuvens híbridas. Os itens podem ser movidos entre elas para garantir maior flexibilidade e otimizar a infraestrutura.

Saiba quais são os serviços oferecidos

Os serviços de computação em nuvem podem ser enquadrados em quatro categorias. São elas: infraestrutura como serviço (IaaS), plataforma como serviço (PaaS), software como serviço (SaaS) e computação sem servidor.

IaaS

É a categoria mais básica de serviços de computação em nuvem. Permite alugar a infraestrutura de tecnologia de informação (servidores, armazenamento, redes e sistemas operacionais) e pagar apenas o que usar.

PaaS

Esta opção oferece um ambiente sob demanda para desenvolvimento, teste, fornecimento e gerenciamento de aplicativos. Ela torna esse processo mais rápido, já que elimina a necessidade de administrar a infraestrutura necessária para o processo.

SaaS

Permite a distribuição de soluções sob demanda pela internet. Para isso, o provedor hospeda e gerencia a ferramenta e a infraestrutura subjacente, bem como a mantém atualizada. Os usuários, então, se conectam ao aplicativo pela web.

Computação sem servidor

A computação sem servidor garante que toda a infraestrutura seja administrada pelo provedor. É controlada por eventos e os recursos só são usados quando uma função ou um evento inicia essa atividade.

Fonte: OLHAR DIGITAL

Voltar